Passagem de Gestão

No último dia do congresso do Nesme 2019, em Serra Negra, tivemos após o fórum de encerramento a passagem de diretoria. Um momento sem dúvida emocionante. Segue o texto proferido pela diretoria atual.

Gostaria de me reportar a esse momento significativo que é o fechamento do congresso. Do ponto de vista da organização do evento, olhamos todos, um pouco cansados, mas muito mais embevecidos, talvez extasiados, esse encontro tão bem sucedido por ter sido realizado com a colaboração da maior parte dos membros, e que esperamos ter podido suscitar em todos os participantes uma experiência particular de encontro, em que cada um leva consigo um pouco do Nesme. Reporto-me ao conceito de ECRO nesse caso, quando Pichón-Rivière conceitua o “esquema conceptual referencial operativo” – ECRO, como o conjunto de experiências, conhecimentos e afetos com os quais o sujeito pensa/sente/age. E nesse sentido, o NESME, como já destacado por Rose na mesa de abertura – mesmo que pautando sua técnica em conceitos de teóricos universais – tem a sua maneira específica de transmitir esse modo de estar, pensar e agir. E como pólen, ao longo desses quatro dias, foi espalhando não em doses homeopáticas, mas cavalares, sua potência grupal. Sem contar com os alegríssimos momentos de confraternização, realizamos ao todo 33 grupos nesse evento. Transmitir nossa forma de fazer grupos foi portanto um objetivo sem dúvida alcançado.

Muito significativo é, também, no congresso de comemoração de 30 anos de existência, suas bodas de pérola , termos a oportunidade de, a partir dessa passagem de diretoria aqui publicada, nos remetermos à capacidade de permanência e porque não transcendência da nossa Instituição.

Dos membros fundadores, sou presenteada com uma surpresa em que me vejo realmente impelida a “vestir a camisa”.

É confortador sabermos que nos momentos de maior fragilidade social, como os que sinto estarmos passando hoje em dia, o Nesme resista na disseminação do saber de que vincular-se é o ponto de partida para nos mantermos vivos. Talvez aqui valha lembrar o que Bodas de Pérolas significa: “Ao chegar no trigésimo ano de matrimônio, a formação das pérolas torna-se uma boa metáfora de como o casal teve que enfrentar diversos “invasores” e adversidades ao longo dessas três décadas.

O amor e o compromisso do casal fez com que todos os problemas enfrentados se transformassem em “pérolas”, ou seja, ajudou a fortalecer ainda mais o relacionamento.”

Penso que essa imagem ilustra um pouco como as intempéries que atravessaram o Nesme trouxeram discussões e estremecimentos, mas ao final de tudo fortaleceram o grupo ainda mais.

Obrigada então a todos participantes desse lindo congresso pela construção conjunta que dele saiu.

Obrigada à diretoria de 2017-2019 por ao longo desses dois anos manter a instituição em seu foco na transmissão de conhecimento das práticas de grupo, inclusive ampliando sua abrangência.

Nesse próximo biênio assumimos o compromisso de dar continuidade a esses projetos tão enriquecedores. Responsabilizarmos de manter os pilares desse fazer e ao mesmo tempo nos lançarmos para novas atividades será realmente um desafio.

Mas vejo, a cada abraço de boa sorte e olhar de esperança dos nossos membros, que como nunca podemos contar com a ajuda de cada um.

Preciso dividir aqui com vocês minha pequena história nesse grupo. No primeiro congresso que vim, conheci o Nesme. No segundo, estava grávida de minha primeira filha. No terceiro, era a segunda que habitava meu ventre. E no quarto, sinto estar grávida não de um outro bebê, mas dessa querida instituição.

E é com toda a vitalidade de quem assume o desafio de gerar uma vida que falo, Vida longa e forte ao Nesme!

 

Rachel C R G Leal

NESME gestão 2019-2021